Matéria da edição Nº128 - Outubro/2001
Texto: Válter Ravagnani
Técnico
Sistema de injeção eletrônica Le-Jetronic: Fiat, Ford, VW e GM
O sistema Le-Jetronic foi o primeiro sistema de injeção eletrônica utilizado no Brasil. Nesta edição vamos conhecer as principais características desse antigo, mas notável sistema.

O sistema Le-Jetronic foi o primeiro sistema de injeção eletrônica utilizado no Brasil. Nesta edição
vamos conhecer as principais características desse antigo, mas notável sistema.

Válter Ravagnani

O Sistema de Injeção ele-trônica Le-Jetronic foi introduzido no Brasil em 1988 com o lançamento do Volkswagen Gol GTI. Posteriormente, passou a equipar veículos de outros fabricantes como a Fiat, a Ford e a GM.
O Le-Jetronic é um sistema multiponto - utiliza uma válvula injetora para cada cilindro.
Neste sistema a massa de ar admitida pelo motor é calculada pela unidade de comando, tendo como principais parâmetros o Medidor do fluxo de ar - VAF, o sensor de Temperatura do Ar - ACT e o sensor de temperatura da água - CTS. Trabalha em malha aberta, ou seja, não utiliza sensor de oxigênio (sonda lam-bda).
É um sistema de injeção analógico. Não conversa com aparelhos do tipo scanner. Por isso, não possui conector de diagnóstico ALDL (conexão entre a UCE e o scanner). Seus compo-nentes eletrônicos podem ser revisados somente com o auxílio de equipamentos como o multímetro, o analisador de polaridade e o osciloscópio.
Esta particularidade dificul-ta o diagnóstico de defeitos, principalmente nos casos de falhas intermitentes.
Os veículos equipados com este sistema ainda possuem distribuidor. Alguns deles dispensam a utilização dos sistemas de avanço a vácuo e avanço centrífugo, por serem equipados com mais uma unidade de comando (responsável pelo controle do avanço de ignição), denominada EZK.
A unidade EZK controla a lâmpada de manutenção urgente e envia sinal de avanço de ignição para a unidade LE. O controle do primário da bobina é feito por um módulo eletrônico interno à unidade LE, denominado módulo TSZ (em alguns veículos, como o Gol GTI, o TSZ é externo à unidade LE).
Quando o sistema possui a unidade de comando EZK, podem ser acessados códigos de defeitos através da lâmpada de manutenção - SES (veja dica 1).

Dica 1 - Acesso aos códigos de defeitos
Os veículos equipados com unidade de comando EZK possuem auto-diagnose. Por isso fornecem os códigos de defeitos através da lâmpada de manutenção urgente (localizada no painel de instrumentos).
Quando a unidade EZK não detecta problemas no sistema, a lâmpada de manutenção se acende ao ser ligada a ignição e se apaga imediatamente quando é dada a partida. Se, após a partida, a lâmpada de manutenção começar a piscar, será a in-dicação de problemas, segundo os seguintes códigos:
• Código 02: Falha no cir-cuito do sensor de temperatura da água - CTS.
• Código 04: Falha no cir-cuito do sensor de detonação - KS.
• Código 05: Falha no cir-cuito do sensor de pressão absoluta - MAP (interno à EZK).

Atenção!!
Os códigos de defeitos tem a função de facilitar e orientar o diagnóstico.
A existência de um determinado código implica na necessidade de revisar o circuito elétrico apontado e não a simples substituição do componente correspondente.

Procedimento de acesso aos códigos de defeito
• Ligar a ignição sem dar partida (a lâmpada de manutenção irá acender).
• Dar partida no motor e mantê-lo acelerado entre 3.000 e 4.000 rpms por 5 segundos.
• Deixar o motor em marcha-lenta. Feito isso a UCE imediatamente emitirá o código de defeito (caso exista), conforme exemplo

 

Veja também

Equipe Viemar visita vencedor da campanha “A melhor Oficina do Brasil”

Entra em funcionamento a primeira TV de ponto de venda
Administração
Profissional mais ético significa também cliente mais satisfeito
Veja este mês
Marketing de Atendimento: melhore o seu sem gastar nenhum centavo.

Eficiência do conversor de torque

Direto expõe em importante feira