Matéria da edição Nº217 - Março de 2009
Texto: Mario Meier Ishiguro
Técnica
Manutenção do sistema de ar-condicionado - Flushing

Quando falamos em limpeza do sistema de ar-condicionado automotivo, temos disponíveis duas oportunidades de negócios: a limpeza flushing e a higienização. Cada uma possui um objetivo distinto e descobriremos nesta matéria os segredos da limpeza flushing.

A limpeza completa do sistema, conhecida como flushing, é o procedimento utilizado para retirar completamente o óleo e os contaminantes das paredes internas dos tubos e mangueiras do sistema de ar-condicionado automotivo. Ela é necessária em veículos mais antigos, com ineficiência no funcionamento do sistema, mesmo que devidamente abastecidos de fluido refrigerante (R12 ou R134a).

No sistema de refrigeração, o compressor necessita de lubrificantes especiais para atenuar o desgaste das partes móveis internas. Na linha automotiva a quantidade deste óleo varia de 140 a 300 ml.

...

Equipamento de limpeza profissional

Durante o ciclo de funcionamento, parte deste óleo fica aderida na forma de um pequeno filme nas paredes internas das tubulações e em maiores quantidades no condensador, evaporador, filtro e compressor.

Em determinadas situações ou condições de trabalho esse lubrificante pode contaminar-se. Considera-se contaminado se for exposto à umidade e limalhas oriundas do desgaste interno do compressor.

Para "lavar", ou seja, retirar totalmente este lubrificante contaminado é preciso um fluido, um solvente capaz de misturar-se e dissolver o óleo, deixando-o menos viscoso e com alta fluidez.

Para os sistemas com gás refrigerante tipo R134a, que utilizam óleo PAG, o fluido que se mistura muito bem é o próprio R134a, porém em temperatura ambiente ele passa para o estado gasoso, portanto é recomendado utilizar o fluido R141b, que pode ser utilizado no estado líquido à temperatura ambiente, facilitando muito seu manuseio e a eficiência de limpeza.

 ...
Ferramenta artesanal com o fluido R141b

Segurança

Fique atento, pois o óleo PAG pode danificar a pintura do veículo se derramado acidentalmente.

Utilize sempre o E.P.I. (equipamento de proteção individual)! Esse trabalho pode ser perigoso, pois o fluido de limpeza se expande e pode baixar muito a temperatura das partes de contato, podendo causar lesões e queimaduras no corpo.

Faça as manutenções em ambiente ventilado e evite a inalação de fluidos vaporizados.

...
Ferramenta artesanal em ação com o fluido R141b

Ferramentas

Existem máquinas específicas e de última geração que executam a tarefa de limpeza com sucesso, porém o investimento não é dos mais baratos. Logo temos que agregar o máximo de valor aos nossos serviços, a fim de obter reconhecimento e retorno do capital aplicado.

Opções mais simples e econômicas estão em ferramentas dotadas de reservatório para o fluido, com mangueiras e aplicador ou ainda uma solução mais simples, uma garrafa PET com uma mangueira fina e conexões apropriadas. Todas essas opções trabalham com o mesmo objetivo e o mesmo princípio.

 ...
Válvula de expansão

Flushing manual

Na execução do flushing manual, as linhas devem ser abertas para facilitar o acesso e diminuir a perda de carga durante a lavagem, pois quanto mais rápido passar o fluido de limpeza, mais arrasto este proporcionará.

Os filtros e compressores não passam pelo processo de flushing. Os filtros (acumulador ou secador) devem ser substituídos. O compressor será substituído ou, caso seja reutilizado, ele deverá ser aberto para lavagem interna dos componentes e substituição das vedações.

...
Soprando ar comprimido na tubulação

No caso do condensador com o filtro secador interno, do tipo cartucho, se não houver o filtro cartucho para venda separada, recomenda-se a troca completa do condensador. Isso deve ser considerado num orçamento, pois a variação de preço entre trocar ou não trocar um condensador é alta. Atenção para não comprometer o seu lucro!

Os itens mangueira, trecho de tubulação, condensador e evaporador devem ser limpos separadamente.

Ao limpar o evaporador o correto é efetuar a retirada da válvula de expansão. Em alguns veículos ela fica alojada em locais de difícil acesso, como dentro do painel, por exemplo. Nesses casos é necessária a remoção do painel ou até mesmo tentar a limpeza com a válvula no lugar, sempre fazendo a passagem do fluido nos dois sentidos (fluxo e contra fluxo ou retro lavagem). Neste caso há o risco de travar a válvula de expansão se for colocada muita pressão para "empurrar" o fluido pela linha de alta.

Se não for retirada, a válvula de expansão pode dificultar e até comprometer a limpeza. Se o sistema possuir tubo de expansão, este deve ser limpo ou substituído. Em alguns casos, para a limpeza do evaporador e válvula de expansão, deve ser orçada a remoção do painel, pois o serviço de limpeza do sistema pode ser em vão, considerando o evaporador repleto de óleo contaminado e a válvula de expansão travada devido às impurezas internas.

Em cada componente devem-se aplicar alguns mililitros de fluido R141b, como por exemplo, em um condensador. Em cada aplicação, cerca de 250 ml de R141b de cada vez, por diversas vezes, até o fluido sair completamente limpo (por ambos os lados, entrada e saída).

A cada aplicação de fluido, deve-se comprimi-lo com nitrogênio a uma pressão de pelo menos 10 bar (140 psi), que irá ocasionar o arrasto do fluido e o óleo com alta velocidade pelo interior da tubulação. É recomendado também utilizar um compressor de ar para soprar o sistema. Certifique-se que o ar comprimido está livre de umidade. Soprar o sistema apenas com nitrogênio ou fazer vácuo não são procedimentos suficientes para a perfeita limpeza!

Chega-se a utilizar de três a 10 litros de fluido refrigerante R141b numa lavagem completa, dependendo do estado do sistema e de seu acesso.

Essa tarefa deve ser repetida por diversas vezes, o suficiente até o fluido sair completamente limpo na outra extremidade.

Numa lavagem manual, para evitar que esse fluido sujo respingue nos veículos e se espalhe pela oficina, recomendamos colocar uma mangueira plástica (transparente) encaixada na outra extremidade da tubulação a ser limpa. Esta mangueira pode ser conectada a um garrafão de cinco litros (de água mineral, vazio) com dois furos na tampa. No primeiro furo entra a mangueira com o fluido sujo e no outro um pedaço curto de mangueira, para o escape do ar de dentro do garrafão. Assim pode-se coletar o fluido com o óleo sujo e destiná-lo para reciclagem. Após a limpeza completa o sistema deve ser montado com vedações novas e lubrificado.

Submeta o sistema ao teste de estanqueidade (vazamento) após montado, utilizando nitrogênio. Lembre-se de efetuar o vácuo no sistema, a fim de retirar a umidade interna durante aproximadamente 30 minutos.

Com o sistema completamente limpo, devemos considerar que está sem óleo e no caso de um compressor novo, este geralmente já vem com a medida recomendada. Caso o compressor tenha sido aberto e limpo, verifique em sua etiqueta e adicione a quantidade recomendada de óleo PAG (no caso de sistemas com R134a, entre 140 a 300ml, dependendo do modelo) com a viscosidade recomendada. Caso a especificação da quantidade não esteja no compressor, verifique as etiquetas no cofre do motor.

Na próxima edição falaremos sobre a limpeza do sistema na caixa de ventilação, conhecida por higienização.

Veja também
Administração
Os segredos na venda de serviços

Ponto do Senai começa com a “corda toda”

Sistema de injeção direta common-rail

MTE-THOMSON inicia produção do Sensor Lambda Planar
Administração
Crédito e cobrança
Novidades
Congresso SAE BRASIL 2005
Notícias relacionadas