Matéria da edição Nº200 - Outubro de 2007
Texto: Válter Ravagnani
Sensor de Rotação x Sensor de fase
Nesta edição, falaremos de algumas das principais particularidades dos sensores de rotação e de fase

• Quando o motor não pega, o problema pode estar tanto no sensor de rotação como no sensor de fase, entre muitas outras possibilidades, é claro.

• O sensor de rotação, em geral, informa à UCE a rotação do motor e a posição da árvore de manivelas. Seu sinal é considerado um dos sinais vitais para o início do funcionamento do motor. Se o sensor de rotação não informar à UCE que o motor começou a girar, o motor não pega: não são acionadas as válvulas injetoras, a bomba de combustível e nem a bobina (motores ciclo Otto).

• O sensor de fase informa à UCE a posição do eixo comando de válvulas. Com base em seu sinal, a UCE reconhece a fase em que se encontra o cilindro do motor (admissão, expansão, compressão ou escape) e estabelece a injeção do combustível de forma seqüencial. Normalmente, o sinal de fase não é um sinal vital para o funcionamento do motor, ou seja, se o sensor for desconectado ou estiver defeituoso o motor pega. Entretanto, em alguns veículos, o sinal de fase é tão importante quanto o sinal de rotação. Sem ele, o motor não entra em funcionamento.

• A tabela apresenta a relação de alguns veículos nacionais que possuem sensor de fase e demonstra em quais desses veículos o sinal de fase é vital para o funcionamento do motor.

Observação importante

• Como já comentamos, na maioria dos veículos, o sinal de rotação é um sinal vital para o funcionamento do motor. Sem ele, o motor não pega.

• Contudo, em veículos como, por exemplo, o Gol Power 1.0 16V, o Golf 1.6 SR, Corsa 1.0 16V e caminhões Mercedes PLD (diesel), na ausência do sinal de rotação, o motor continua funcionando. Isso ocorre porque a unidade de comando (UCE) desses sistemas de injeção ativa suas estratégias especiais de emergência (Recovery);

• Nesses casos, em Recovery, a UCE passa a estimar a rotação do motor em função do sinal do sensor de fase. Por isso, o motor funciona aparentemente normal (pega, abre giro etc). A única diferença notada é que a rotação máxima é reduzida (para proteger o motor).

 

Veja também
Técnica em Pesados
OBD 2 - diagnóstico de bordo segunda geração

Multímetro automotivo - parte 1

Tecnologia dos pesados chega aos automóveis
Técnico
Injeção eletrônica família Palio - Sistema IAW 49FB

Associados de clubes de relacionamento têm desconto na ASE

Iveco lança opção intermediária do Daily
Notícias relacionadas