Matéria da edição Nº193 - Março de 2007
Texto: Pedro Franco
Chevrolet Vectra é avaliado e elogiado pelos reparadores
Como se comporta na oficina o preferido dos mecânicos? Acompanhe a passagem deste Vectra com 90.000 km – bastante mal tratado – pela revisão de nossos consultores e entenda por que o modelo é admirado pelo reparador independente.

Na oficina o prestígio do Vectra pode ser comparado aos bons vinhos ou seja: ganha valor com o tempo. Freqüentador assíduo, há anos, das oficinas independentes do País, o Vectra é sempre merecedor de elogios, desde seu primeira modelo lançado em 1993. Para se ter uma idéia da força deste Chevrolet no ambiente da oficina, basta registrar que em pleno ano de 2007 foi eleito o
"carro dos sonhos dos mecânicos" na pesquisa da CINAU (veja matéria na página 70 desta edição). Resta saber se a fama do Vectra vai resistir quando começarem a chegar as oficinas o modelo reestilizado em 2005, mas em vez de ficarmos imaginando o futuro, vamos conferir o presente.

O modelo analisado nesta avaliação foi da segunda geração, sem dúvida a com maior número de veículos rodando no país, na versão GLS com motor 2.2 de 8 válvulas. Com 90.000 km rodados, o carro apresentou o desgaste natural de muitas peças, mas chamou atenção do grupo de consultores do Oficina Brasil por dois motivos principais: a falta de cuidado do proprietário do veículo em relação a alguns aspectos fundamentais e o preço de certas peças nas autorizadas da marca GM.  

Motor
Quando o Vectra chegou à Engin Engenharia Automotiva, a lista de reclamações do dono do carro era extensa: vazamento de fluido de freio, embreagem dura, motor morrendo, suspensão traseira com barulhos fortes atrás e óleo escapando na parte superior do motor.
Para verificar onde ocorriam os vazamentos da parte inferior, o sedã foi colocado no elevador e teve seu câmbio retirado. Nesse momento, o engenheiro Paulo Aguiar identificou o problema. "Percebemos que o óleo vazava porque o atuador hidráulico da embreagem não estava funcionando corretamente, o que acabou exigindo sua troca", explica. Como os rebites já estavam pegando no disco, todo o kit de embreagem também foi substituído, com novos platô, disco e atuador. Após a realização do reparo, foi feita a sangria. É interessante notar, neste caso, a diferença de preço entre a embreagem Sachs utilizada é a original GM: R$ 350 contra R$ 1.447.

De acordo com o proprietário do Vectra, houve um vazamento de água aos 70 mil quilômetros, quando a tubulação estourou e foi trocada. Além desse reparo, foi realizada também a substituição das mangueiras por prevenção. A equipe da Engin identificou, porém, que duas delas não haviam sido trocadas (inferior e superior do radiador) e foram substituídas.
O motor do Vectra morria com facilidade, tanto com o carro frio quanto depois de aquecido. Vários fatores colaboravam para isso e a solução foi a troca de vários componentes. Primeiro, foram substituídas as velas, carbonizadas. Em seguida, a equipe colocou novos cabos de vela, trocou o filtro de combustível, que estava saturado, e limpou e equalizou os bicos injetores. Por fim, o carro recebeu um novo atuador da marcha lenta, já que o do Vectra estava travado. O preço dessa peça também chamou a atenção pela diferença entre o preço praticado no mercado de reposição e nas autorizadas Chevrolet: R$ 176 ante R$ 795.

O problema do vazamento de óleo pela junta da tampa de válvula foi resolvido com a troca do sistema de vedação.  

Freios
No início da avaliação, citamos o problema do vazamento de fluído pela parte inferior do Vectra. Com a troca da embreagem, parte das irregularidades foi resolvida, mas havia uma outra fonte para a fuga do lubrificante: problemas nos cilindros de roda traseiros.
Como o modelo usa o mesmo reservatório de óleo para freio e embreagem, a anomalia ainda persistia. Para regularizar a situação, foi preciso realizar a troca dos cilindros de roda traseiros e das lonas, que ficaram encharcadas e acabaram perdendo a eficiência, inclusive com desintegração de pequenos pedaços. Os tambores também precisaram ser substituídos. "Quando a lona quebra, risca o tambor e compromete seu funcionamento", esclarece o consultor Cláudio Cobeio.
Na parte frontal do sistema de freios, foi preciso trocar os discos, que estavam com a espessura abaixo dos 21 mm indicados pelo fabricante, e as pastilhas, também com pouca vida útil pela frente. No reparo dos freios, vale sempre desmontar e verificar as pinças e o correto funcionamento de seus componentes.  

Suspensão
Aos 70 000 quilômetros, o dono do Vectra já havia reparado boa parte da suspensão. Naquela ocasião, trocou os quatro amortecedores, kit de batentes superiores, terminais de direção, pivôs e braços axiais.
Mas, mesmo com tantas trocas, ainda havia um barulho forte vindo da parte traseira do carro quando ele passava por lombadas e buracos. Na oficina, foi possível verificar que os problemas vinham das buchas hidráulicas danificadas, que foram trocadas.
Para acertar o funcionamento da suspensão traseira, a Engin ainda colocou novas buchas de controle dos braços oscilantes, que estavam com folga, e duas buchas da barra estabilizadora. Com a realização do alinhamento, os barulhos acabaram.

Dica 1 - O reparador deve ficar atento com os coxins, que podem estar quebrados. A maior incidência desse tipo de problema é na peça do câmbio.

Dica 2  - Na troca dos discos de freio, é recomendável checar o estado dos cubos de roda quanto a folgas, que podem causar o empenamento das peças novas.

Dica 3  - Atenção na troca das bandejas. É preciso sempre verificar o estado do pivôs.

Dica 4 -  Problemas com o sensor de rotação do Vectra não são raros. "Neste caso, o sintoma mais comum é a dificuldade nas partidas", explica o consultor Washington Mariano.

Dica 5 - Caso haja necessidade de substituição da tampa de válvulas do motor, coloque novas juntas e verifique o torque recomendado no manual de reparação para não "esmagar" a peça.

Dica 6  - O entupimento da válvula de ventilação do cárter pode causar o aumento da pressão no interior do compartimento e oscilações na rotação do motor. Caso isso ocorra, é preciso realizar a limpeza ou, preferencialmente, a substituição da peça.

Dica 7 -  Ao realizar a troca da embreagem, o reparador deve ficar atento à tubulação de água. Feita de plástico, ela pode romper facilmente caso seja apenas "empurrada" e não removida. "O ideal é soltar os parafusos de fixação do cano para que haja a flexibilidade necessária", recomenda o consultor Danilo Tinelli.

Dica 8 - Atenção: caso haja desgaste excessivo do cabo de vela, pode haver comprometimento no funcionamento da bobina, causando um prejuízo ainda mais alto. Por isso, se houver fuga de corrente, é recomendável trocar os cabos.

Dica 9  - O filtro de pólen do Vectra fica no lado direito da "churrasqueira". Como em todos os veículos, sua troca é importante e recomendada a cada seis meses.

Dica 10 - A tomada de diagnose localiza-se abaixo do freio de mão, sob uma tampa de proteção de plástico.

Dica 11 - A pressão da bomba de combustível deve ficar entre 2,8 e 3,2 bar. A vazão deve permanecer numa margem que varia de 1,5 l/min a 2 l/min.

CLIQUE AQUI E VEJA A FICHA TÉCNICA

Direto do Paredão, a opinião de outros reparadores sobre o Vectra
O Vectra é um excelente veículo, tem um sistema de injeção bem funcional e um propulsor já bem conhecido dos reparadores. Entretanto, um dos defeitos mais frequentes é a perda do sinal de rotação, o cabo deste sensor rompe com facilidade, outro item que queima com facilidade é a bobina (velas bem gastas e cabos com fuga de corrente) e por lavagem de motor. Para finalizar, gostaria de dizer que acho também que é um veiculo de fácil manutenção, mas com um custo de peças de reposição bem elevado.

Emerson dos Reis 

Falo como reparador e proprietário e considero o melhor veículo fabricado no Brasil. Pela minha experiência posso afirmar que o Vectra não quebra se você cuidar dele com carinho e da maneira correta ele só vai te dar alegrias, o meu já tem dez anos de uso (e bem usados). A única vez que ele me deixou na rua foi por culpa minha, pois troquei a junta da tampa de válvulas e aprendi sem ver o cabo do sensor de rotação dai ele não pegou mais e eu passei um tempão tentando descobrir minha falha. Fora isso são cinco anos de alegrias. Mas como sempre digo para meus clientes tudo o que é bom é caro, portanto, se quiseres ter um excelente carro tens que pagar o preço disto mas é um preço que vale a pena ser pago.
Castenente

O Vectra é um excelente carro, mas devemos lembrar o trabalho de substituir o sensor de rotação dos veículos com ar e direção hidráulica. Também há o tamanho do trabalho de substituir a embreagem, nos veículos entre 97 e 99 o mesmo defeito do ponteiro do velocimêtro louco por motivo do mau contato do conector do painel atrás do mesmo, e na mão de obra que dá na substituição das buchas das bandejas traseiras que já gostam de apresentar folgas, mas em compensação tem ótimo sistema de injeção, suspensão dianteira durável e conforto de sobra.
Carrasco 

O Vectra é um veículo bem confortável com um ótimo sistema de climatização. É bom que os proprietários fiquem atentos à manutenção do filtro de polén e do ar-condicionado. Esse modelo possui um sistema de injeção fácil de reparar apesar de que o sensor de rotação tem uma mão de obra de cerca de uma hora para substítuí-lo, mas recomento esse carro da Chevrolet.
Emerson Venino

Veja também

Você sabe o que é EBD?

Oficina Escola já tem quatro alunos estagiando
Técnica
A tecnologia bicombustível invade as ruas e as oficinas independentes - parte final

Uma opinião de peso
Freios ABS
Freios ABS: sistema 2E – parte 5

Sistema de Identificação Automática de Veículos
Notícias relacionadas