Matéria da edição Nº176 - Outubro de 2005
Texto: Carlos Napoletano Neto
Técnica em Utilitários
Manutenção do sistema de ignição dos utilitários-esportivos Chevrolet
Blazer V6, picapes S10 e SS10

Veja as figuras abaixo em Galeria de Fotos

Visão geral do sistema de ignição do motor VORTEC V6 (Figura 1)

1. Sensor CMP (posição do comando para injeção)
2. Módulo acionador
3. Rotor
4. Disco de relutância
5. Sensor CKP (Rotação e PMS)
6. Bobina
7. Fusível
8. Chave de ignição
9. Massa
10. Sinal CMP
11. Massa
12. Bateria

O módulo acionador da bobina de ignição é montado em conjunto com a bobina de alta energia. O VCM controla o módulo acionador. O módulo, por sua vez, regula a corrente consu-mida pela bobina através de seu enrolamento primário. A distribuição básica não é regulável devido ao fato de ser o sensor de rotação, e não o distribuidor, o responsável pelo avanço inicial da ignição.
Isto faz com que ele seja o principal sensor para o combustível e a centelha. Sem o sensor CKP o motor não funcionará. Ele está localizado na parte frontal do motor, na tampa da corrente.

Sincronismo do virabrequim com árvore de comando de válvulas e eixo de balanceamento

Para que o motor funcione corretamente, a árvore de comando de válvulas deve estar sincronizada com o movimento do virabrequim. Isto assegura que as válvulas abram e fechem no momento apropriado em relação à posição do êmbolo. A árvore do comando de válvulas é acionada, no motor VORTEC, por uma corrente, quando o virabrequim atinge a metade da velocidade máxima. O sincronismo estático entre o virabrequim e o comando de válvulas proporciona uma linha base de indexação entre os dois eixos. As marcas de sincronismo devem estar alinhadas (veja exemplo na Figura 3).

Marcas de sincronismo do motor VORTEC V6

Para eliminar vibrações indesejáveis no motor, em determinadas rotações o motor VORTEC foi equipado com uma árvore balanceadora ou eixo balan-ceador (Figura 2).
O eixo deve ser também sincronizado com o virabrequim para contra-agir nas vibrações e suavizar o funcionamento geral do motor.

Marcas de sincronismo entre o eixo de balanceamento e virabrequim

Manutenção do distribuidor - posicionamento (Figura 3).

Remoção

1. Solte os cabos de velas e o cabo do sensor de fase (CMP).
2. A tampa é fixada por parafusos TORX 20. Evite perder os parafusos. Eles não ficam retidos na tampa.
3. Como referência, marque a localização da ponta do rotor no coletor com o cilindro número 1 (Marca 6 no corpo de distribuídor).
4. Solte e remova o parafuso de fixação do corpo do distribuidor. Levante o distribuidor até que fique livre da árvore de comando.
5. Marque a localização da ponta do rotor uma segunda vez (na posição em que foi desligado da árvore de comando) e remova-o.

Colocação

6. Ponha o motor no PMS (ponto morto superior) do ciclo de compressão do cilindro número 1. (Observe que há duas marcas de sincronização na polia do virabrequim do motor 4.3 V6. Uma das marcas é para a saliência superior e a outra para a inferior. Cuidado para não trocar uma pela outra).
7. Alinhe a cavidade da engrenagem do distribuidor com a marca pintada na haste.
8. Alinhe o eixo da bomba de óleo do motor com a saliência do eixo acionador do distribuidor utilizando uma chave de fenda longa.
9. Instale o distribuidor no motor. Utilize a segunda marcação feita no ponto em que o distribuidor foi desligado do comando, para que o eixo, ao girar, encaixe nos dentes da engrenagem e coincida com a marca 6 na base do distribuidor. Certifique-se de que a fixação esteja alinhada com o furo do parafuso do motor.
10. Uma vez que o distribuidor esteja perfeitamente assentado, a extremidade do rotor deverá estar alinhada com a marca 6 na base do distribuidor.
11. Instale os outros componentes e a fiação. O alinhamento deverá ser confirmado com o motor em ponto morto. Verifique se lâmpada MIL acende. Como já foi dito antes, um DTC P1345 indica que o distribuidor foi instalado com um ou mais dentes deslocados.

Veja também
Automec 2005
Tecnologia a favor da reparação automotiva

Preocupação ambiental também pode gerar lucro

De Volta Para o Futuro – Capítulo FSI

Outras matérias desta edição
Editorial
Na trilha das mudanças
Técnica
Conheça os programas de inspeção veicular - parte 3
Notícias relacionadas